português
inglês
francês
suaíli
introdução
visão
notícia
índice
sujeitos potenciais
bibliografia
subsídios
escritórios
escreva-nos


Esa Lalé
n.1888 f.1925
Religioso Tradicional
Etiópia

O profeta Esa nasceu no clã Golla Malla em Zara, Gamo na Etiópia por volta de 1888. Começou seu ministério popular por volta de 1920 na sua comunidade natal de Zara próximo de Chencha e sua influencia se espalhou para Gamo, Kucha Boroda, Gofa e Wolaitta.

Se ele recebeu a inspiração para sua mensagem a traves de sonhos divinos ou pelo contato com a Igreja Ortodoxa não se sabe. Ele reunia seus seguidores nos campos e nos mercados públicos para pregar a sua mensagem que continha três pilares:

O primeiro: o povo deveria adorar ao Deus criador, Tosa. O chefe de família deveria pegar mel branco puro no domingo pela manhã cedo e com sua família em pé atrás dele olhar para o leste. Depois deveria molhar os dedos no mel e salpicar em direção ao céu e dizer três vezes: "Tosa, tu és o criador de tudo, tem misericórdia de nós. Nós te oferecemos isto que o melhor que temos." Objetos de adivinhação tinham que ser destruídos.

O segundo: uma adaptação nos rituais era incentivada quando as orações em família eram oferecidas a Tosa no esteio central da casa em vez de oferecer oblações aos espíritos ancestrais.

O terceiro: Enfatizou a consciência social e responsabilidade ética.
Em 1924 Esa foi preso no seu povo natal, Zara, pelo governador provincial de Chencha e escoltado por soldados armadas até Addis Ababa, onde morreu na prisão. Esa teve grande influência no sul da Etiópia tanto como um profeta pré-cristão como um precursor providencial do Cristianismo.

Lila Balisky


Bibliografia:

Balisky, E. Paul, 1997, "Wolaitta Evangelists: A Study of Religious Innovation in Southern Ethiopia, 1937-1975," (Defesa de tese de doutorado, Universidade de Aberdeen, 1997), 115-132.
Singleton, Michael , 1978, "Asa - Pagan Prophet or Providential Precursor?", Afer, Vol.II, 82-89.

Este artigo foi recebido em 2002, e compilado por Paul e Lila Balisky, missionários da Missão Internacional ao Interior do Sudão em Addis Ababa e membros do Conselho Consultivo do DIBICA.