português
inglês
francês
suaíli
introdução
visão
notícia
índice
sujeitos potenciais
bibliografia
subsídios
escritórios
escreva-nos


Reis, Francisco
faleceu em 1995
Igreja do Nazareno
Moçambique / Cabo Verde

Francisco Reis foi um nazareno natural do Maio. Emigrou para Moçambique (Maputo) por causa da pobreza da terra. Quando procurava trabalho em que pudesse servir ao Senhor de forma prática, a Sociedade Bíblica contratou-o. Aonde quer que ele fosse para vender Bíblias, quer na rua quer nas casas, ele introduzia o livro sempre com o seu testemunho. Recrutou os seus dois filhos adolescentes para o ajudarem neste trabalho.

O pai e os filhos eram enviados com freqüência à prisão. Ali vendiam Bíblias aos guardas. Muitas vezes as igrejas locais os afiançavam fora da prisão, mas Reis nunca deixou de vender Bíblias. O Pastor dele era o Rev. Acácio Pereira, que antes fora padre, mas depois estudou no Seminário Nazareno de Cabo Verde.

Reis foi um "líder" entre os leigos na Igreja Portuguesa de Maputo. Abria semanalmente a sua casa para os serviços dos arredores. Como resultado, uma igreja veio a desenvolver-se nas proximidades da sua casa, na Rua Guiné. Todos admiravam a coragem dele, o seu amor pelos outros e a sua fé inquebrantável.

Com a chegada da independência, em 1975, as igrejas em Moçambique foram fechadas, suas propriedades confiscadas e os cristãos atormentados. Francisco viu-se obrigado a interromper a venda de Bíblias. Foi um milagre como a família dele conseguiu sobreviver com esta perda total de rendimentos. Ainda assim, conseguiram preparar comida, que ele levava aos missionários Revs. Arrnand Doll e Hugh Friberg, os quais se achavam presos. Os guardas recebiam a comida e depois batiam a porta com força na cara dele. Mas o irmão Reis não se importava. Continuava a levar-lhes comida.[1]

O Irmão Francisco Reis, mais tarde, regressou a Cabo Verde e continuou a ser um obreiro ativo na Igreja de Maio, ilha onde viveu até seus últimos dias.[2]

Paul S. Dayhoff



Citações:

1.1. Jorge de Barros, relatório enviado (em 1992).
2. Roy Henck, carta de 15 de Abril (de 1995).




Este artigo é reproduzido, com permissão do livro Living Stones In Africa: Pioneers of the Church of the Nazarene, edição revisada, direitos do autor © 1999, por Paul S. Dayhoff. Todos os direitos reservados.

Este artigo foi traduzido da língua inglesa por Rev. António Barbosa Vasconcelos, pastor cabo verdiano.