português
inglês
francês
suaíli
introdução
visão
notícia
índice
sujeitos potenciais
bibliografia
subsídios
escritórios
escreva-nos


Ntsikana (Chefe Sicana) Gaba
n. 1780 f. 1820
Independente
África do Sul

Ntsikana fundou a primeira organização cristã africana por volta de 1815. Ele foi também o primeiro grande escritor de hinos Xhosa, e o seu "grande hino" aparece em muitos dos hinários modernos.

Ntsikana nasceu em 1780 na tribo de Nggika e tornou-se um conselheiro hereditário de Nggika, o chefe supremo dos Rharhabe. Ele viveu num tempo quando a demarcação da fronteira leste aumentava e havia um conflito entre os Xhosa e os novos colonos. O pai de Ntsikana, Gaba, era polígamo como a maioria dos Xhosa, antes de se converterem (Bokwe 1914, 4). A sua mãe, Nonabe, era a segunda esposa. Devido ao ciúme da primeira esposa, Nonabe foi acusada de bruxaria e teve que fugir para salvar sua vida. Poucos meses depois nasceu Ntsikana.

Quando Ntsikana tinha doze anos de idade, seu pai mandou buscá-lo. Noyiki, a primeira esposa de Gaba, tinha só uma filha mulher e adotou o menino como se fosse seu. Ntsikana cresceu pastoreando o rebanho de seu pai e aprendendo a caçar.

Vander Kemp da Sociedade Missionária de Londres veio para a região onde o jovem Ntsikana vivia. De 1799 a 1801 o missionário tentou evangelizá-lo, mas não teve muito sucesso. Foi dele que Ntiskana escutou a mensagem cristã por primeira vez. Vander Kemp deixou o território de Nggika e foi morar em Graaff-Reinet. Tempos de guerra se seguiram na fronteira leste entre os chefes dos Rharhabe: Nggika e Ndlambe, que acabaram coma batalha de Amalinde na qual Nggika foi derrotado. Os guerreiros de Ndlambe atacaram Grahamstown em 1819 (a Quinta Guerra da Fronteira) e uma zona neutra foi declarada entre os rios Fish e Keiskamma.

Somente em 1816 o próximo missionário chegou à área onde Ntsikana morava. Foi o Rev. Joseph Williams que estabeleceu um centro missionário próximo do Rio Kat.

Depois que Ntsikana passou por um ritual como Amakweta e foi considerado adulto concederam-lhe duas esposas, Nontsonta, mãe de Kobe, e Nomamto, mãe de Dukwana e dois irmãos menores. Quando seu pai faleceu, Ntsikana herdou sua propriedade.

Nesta ocasião Ntsikana teve uma visão: ele tinha um boi de estimação, um grande animal de cor avermelhada, com manchas brancas e longos chifres, que ele chamou de Hulushe. Numa manhã ele foi para o estábulo e notou um raio de sol mais brilhante do que os outros, que atingiu o boi. Ele entrou em transe. Quando perguntou a Kobe, que estava junto com ele, se havia visto o acontecido, este respondeu que não tinha visto nada. Ntsikana ficou intrigado com o que tinha acontecido. Coisas estranhas continuaram a acontecer numa festa de casamento naquele dia. Ntiskana voltou com a sua família para casa, e no caminho lavou-se por causa de uma suposta mancha vermelho ocre em seu corpo. Ninguém entendeu o que havia acontecido com ele.

Durante os próximos dias Ntsikana começou a cantarolar uma canção que se tornou o seu "hino lema". Ele disse ao povo que deveriam orar e desde então ministrava cultos regularmente. Ele disse que não deveriam escutar a Nxele, o curandeiro. Este foi o começo do seu ministério. Ntsikana não ficou no centro missionário, mas sempre visitava Williams, e depois da morte deste, ao missionário Brownlee. Ele planejava mudar-se para a Missão Chumie quando faleceu em Thwatwa em 1821 (Hodgson 1981, 6).

Ntsikana escreveu quatro hinos, o mais conhecido deles é o seu "grande hino". Este ainda encontra-se nos hinários modernos. Anos depois, Alan Soga escreveu uma homenagem a Ntsikana:

Que coisa te encorajou Ntsikana
A pregar aos teus conterrâneos debaixo de uma árvore pergunto
Que sagrada visão encantou tua mente
Enquanto estavas adormecido no estábulo?
Os hinos de Ntsikana louvavam a Deus como o Grande Deus dos céus. Muito da teologia de Ntsikana tinha origem nas suas experiências pessoais, e ele é lembrado como o primeiro e mais importante convertido Xhosa.
Ulo Tixo omkulu, ngosezulwini
(O Grande Deus, Ele está nos céus)

Tu és o escudo da verdade.
Tu és o sustentador da verdade.
Tu és o fundamento da verdade.
Tu és o que habita nas alturas.
Quem criou a vida na Terra e no céu.
O criador que criou os céus.
O criador das estrelas, das Plêiades.
Uma estrela brilhou e nos contou.
O criador dos cegos não os criou de propósito?
O trompete soou e nos chamou,
Como o caçador caçava almas.
Aquele que juntou os rebanhos opostos,
O Líder, que nos guiou.
Cujo grande manto, nos cobre.
Vossas mãos estão feridas.
Vossos pés estão feridos.
Porque teu sangue é derramado?
Teu sangue é derramado por nós.
Este grande preço, por nossa causa
A tua casa anelamos.
J. K. B.

J. A. Millard


Bibliografia:

Bokwe, J. Ntsikana. Lovedale: Editora Lovedale, 1914.
Hodgson, J. "The Genius of Ntsikana." Documento lido na Conferência sobre Literatura e Sociedade. Cidade do Cabo, 1981.
Hodgson, J. "Ntsikana - Precursor of Independency?" Missionalia, vol. 12 (1), Abril de 1984.
Holt, B. Joseph Williams and the Pioneer Mission to the Southeastern Bantu. Lovedale: Editora Lovedale, 1954.
Ntsikana, B. The Life of Ntsikana. Lovedale: Editora Lovedale, 1902.

Este artigo foi reproduzido com a permissão de: Malihambe - Let the Word Spread, copyright © 1999, de J. A. Millard, Editora Unisa, Pretória, África do Sul. Todos os direitos são reservados.