Mandavela, Faustino Paulo

1966-2019
União Igrejas Evangélicas de Angola
Angola

Faustino Paulo Mandavela nasceu aos 12 de março de 1966 na comuna do Bungei no município do Chipindo, província da Huila. Casou-se com Febe Nassoma da Silva Mandavela. Foi pai de quatro filhos: Gileade da Silva Mandavela, Américo da Silva Mandavela, Celênia da Silva Mandavela, e Eliezer da Silva Mandavela. Foi um cristão comprometido com a causa de Cristo. Em 1992, ingressou no Grupo Bíblico de Estudantes Cristãos (GBECA, afiliado com International Fellowship of Evangelical Students, IFES) numa altura em que o comunismo se fazia sentir em Angola, como uma linha escolhida após a independência, onde falar de Cristo era crime. Porque ficava conotado de idealista, no momento em que ele acabava de desvincular-se do exército das FAPLA (Forças Armadas Para Libertação de Angola) nunca se esqueceu de seu Deus. Formou-se em Linguística Inglesa pelo Instituto Superior de Ciências de Educação na Cidade do Lubango, província da Huila.

Em 2000, na 7ª Assembleia do GBECA, foi eleito Secretário Geral do GBECA, que o obrigou a mudarem-se para Luanda com sua família, onde se encontrava o Secretariado Nacional do GBECA. Nesta altura, o ajudou a expandir o GBECA nas províncias de Cabinda, Moxico, Huambo, Bié, Kuanza Sul, e Cunene, para além das províncias de Luanda, Benguela, Huila e Namibe onde o movimento já se fazia sentir.

Mandavela participou em varias conferencias internacionais e encontros regionais da IFES no Ghana, Malawi, Kenia, Nigeria, Alemanha, Africa do Sul, e Belgica, entre outros países. Em 2003, foi indicado pela IFES para ajudar a organizar a ABEMO (Aliança Bíblica dos Estudantes de Moçambique), uma organização forte em que muitos trabalharam para alcançar estudantes em Moçambique. ABEMO guarda com alegria boas memorias de Mandavela.

Por causa da ausência da palavra da igreja em relação ao VIH e SIDA, por haver muita discriminação das pessoas sero-positivas, e por varias visitas das pessoas sero-positivas no Hospital Esperança em Luanda, Mandavela começou a idealizar o projeto Atalaia em 2004. Identificou a Tearfund, uma Organização da Inglaterra, para financiar o mesmo.

Em 2009, Mandavela deixou de ser Secretário Geral do GBECA e foi eleito como segundo Vice-Presidente. Em 2010, assumiu a responsabilidade de acompanhar como líder leigo da Igreja Evangélica de Bela Vista, uma das congregações da União de Igrejas Evangélicas de Angola UIEA em Luanda, no Município de Belas. Ele serviu nessa capacidade quando esta igreja se encontrava em transição do município do Rangel para o município de Belas por razões de conflitos de espaço, responsabilidade que levou até 2016 altura que a congregação recebeu um novo pastor. Durante este tempo em que esteve a liderar a igreja, desenvolveu vários projetos. “Os outros meus filhos” era um projeto que visa identificar na comunidade crianças desfavorecidas fora do sistema de ensino; eles são adotados pelos membros no intuito de arcar com os custos escolares da mesma. Desenvolveu também outro projecto, “Soja,” onde é distribuído um copo de soja a cada criança na comunidade uma vez por semana.

Ainda nesta altura foi solicitado para ajudar o secretariado Geral da SOLE (Solidariedade Evangélica), uma organização que trabalha com doentes leprosos, cargo que desenvolveu até a altura da sua morte.

Mandavela era um obreiro que sacrificava a sua família e a ele próprio em prol da obra do Senhor. Um critico de natureza com criticas objetivas para o desenvolvimento do movimento, da Igreja, e do país, deixou marcas dentro do GBECA e na sociedade inquestionáveis em virtude da sua maneira de ser e de ver as coisas. Até hoje, é bem recordado dentro da IFES, GBECA, e a Igreja Angolana por ser um impulsionador de muitas iniciativas em Angola, principalmente para influenciar a sociedade angolana a uma vida condigna, com destaque aos projetos—cira de Memorias, liderança em transformação urbana, rede Miqueias, e outros.

Antes de sua morte reuniu com a comissão preparatória da Assembleia Nacional do GBECA, onde disse, “Temos que pensar bem qual é o sonho do GBECA na realidade atual do Pais, se eu não vier nesta assembleia tenham em conta este ponto.”

Paulo faleceu no dia 28 de janeiro de 2019 quando se encontrava em missão de serviço em Benguela vítima de um acidente cardiovascular. Foi a enterrar na província da Huila, Lubango.

Nelito Fernando Mumbondeiro


Fontes:

Buta, Frederico Cathende Catihe, Secretário Geral do GBECA. Extratos da biografia, 17 de março de 2020, Lubango.

Mandavela, Febe Nassoma da Silva. Entrevista, 23 de março de 2020, Lubango.

Marcolino, Mariano. Entrevista, 22 de março de 2020, Lubango.


Esta biografia, recebido em 2020, foi escrita por Nelito Fernando Mumbondeiro, candidato de receber o Mestrado de Artes em Teologia na especialidade de liderança pelo Instituto Superior de Teologia Evangélica no Lubango (ISTEL). Formou-se em teologia na mesma instituição com grau de Licenciado. É pastor em Luanda na Igreja Evangélica de Viana Luanda Sul da denominação da UIEA, e lidera o Departamento de Evangelismo, Missões, e Discipulado nessa denominação. Esta biografia foi escrita sob a supervisão de Sindia Foster, instrutora no ISTEL e missionária em Moçambique com Serving in Mission (Servindo em missão, SIM).